Um experiente advogado do Quênia recentemente apresentou uma petição junto ao Tribunal Internacional de Justiça, em Haia, contra Israel e Itália, bem como figuras históricas mortas há mais de 2.000 anos, pelo julgamento ilegal e pela crucificação de Jesus Cristo. Se você acha que de alguma forma já ouviu algo assim antes, provavelmente está certo. O advogado queniano Dola Indidis já fez o mesmo em 2007.

Sua petição em um tribunal de Nairobi foi indeferida, mas o homem persistente não desistiu. Em 2013, ele apelou para a Corte Internacional de Justiça pela primeira vez, argumentando que a acusação seletiva e maliciosa de Jesus violou seus direitos humanos por má conduta judicial, abuso de preconceito e racismo. Infelizmente, seu caso foi descartado, mas em março deste ano, Dola voltou a apelar ao CIJ, esperando finalmente chegar a um julgamento real.
“Eu insisto no caso porque é meu dever defender a dignidade de Jesus e eu fui ao CIJ para buscar justiça para o homem de Nazaré”, disse Dola. “Sua acusação seletiva e maliciosa violou seus direitos humanos por má conduta judicial, abuso de preconceito no cargo e preconceito”.

Em sua petição, o advogado, que já era porta-voz do Judiciário do Quênia, afirma que o modo de questionamento utilizado durante o julgamento de Jesus, bem como a sua acusação, audiência e sentença foram ilegais. Ele acrescenta que a informação usada contra Jesus era frágil e provavelmente falha, e que torturá-lo durante o julgamento é uma contradição com todas as formas de justiça.
O advogado reza para que a Corte Internacional de Justiça possa ver que “…o processo perante os tribunais romanos era uma lei nula, pois eles não estavam em conformidade com a regra da lei na época relevante e qualquer momento posterior.”

Ademais o homem acha que alguns dos presentes no julgamento foram longe demais por cuspir e golpear seu rosto, zombar dele e declará-lo digno de morte. “A evidência hoje está registrada na Bíblia e você não pode desacreditar a Bíblia”, disse Dola Indidis. “Eu sei que, como uma questão de fato e de verdade, temos um bom caso com uma alta probabilidade de sucesso e espero que seja feito.”
Infelizmente para ele, a CIJ não vê isso assim. Um funcionário do tribunal informou o site de notícias jurídicas Legal Cheek que a corte não tem jurisdição para tal caso.

Fotos: Reproduções/Youtube

“A CIJ resolve disputas entre estados. Nem mesmo é teoricamente possível considerar este caso.” Além de Israel e Itália, Dola Indidis também quer processar o Imperador Tibério, Poncio Pilatos, o Rei Herodes e vários anciãos judeus, todos mortos há mais de dois milênios. Mas o advogado acredita que os governos (na sua forma atual) para os quais esses indivíduos atuaram ainda devem ser responsabilizados. Por isso, Israel e a Itália estão no banco dos réus.
A petição de Dola Indidis provavelmente será indeferida novamente, mas será que isso significa que ele finalmente esquecerá a papelada em um gaveta qualquer?. Considerando o quão inflexível ele tem sido para corrigir o antigo erro, provavelmente não.

Fonte:

Loading...